Orientações

Informações

O papel do nutricionista no tratamento do câncer

O papel do nutricionista no tratamento do câncer

Manter uma alimentação adequada é decisivo no bom andamento do tratamento e na qualidade de vida do paciente com câncer. Porém, muitas vezes, surgem dificuldades para se alimentar, levando a maiores chances de perda de peso e piora do estado nutricional, quadro que influência de forma negativa na resposta ao tratamento, por isso, tem que ser evitado.


O paciente que se alimenta adequadamente tem mais condições de enfrentar os possíveis efeitos colaterais causados pela quimioterapia e radioterapia. Alguns sintomas podem diminuir a ingestão de alimentos e prejudicar o estado nutricional, como a falta de apetite, náuseas, vômitos, feridas na boca, boca seca, dificuldades para engolir, alterações no gosto e no cheiro dos alimentos, intestino preso, diarreia, entre outros. Essas complicações indicam a necessidade do acompanhamento com nutricionista nas diferentes fases da doença e do tratamento, tendo em vista a melhoria da qualidade do paciente. 


É indicado iniciar o acompanhamento nutricional o mais precoce possível, a fim de sanar as primeiras dúvidas sobre hábitos alimentares que deverão ser adotados pelo paciente durante o tratamento conforme sua necessidade. Importante salientar que antes de iniciar qualquer restrição alimentar, as dúvidas devem ser esclarecidas com o nutricionista.


Os principais objetivos do acompanhamento nutricional compreendem minimizar a perda de peso, prevenindo a desnutrição e evitando a interrupções do tratamento, aliviar os sintomas gastrointestinais (como náuseas e vômitos), melhorar a imunidade e proporcionar melhor qualidade de vida para o paciente, familiares e cuidadores.


O aconselhamento nutricional tem a eficácia comprovada em aumentar a ingestão calórico-proteica, peso corporal e melhorar a composição corporal. Dentre as estratégias nutricionais está o uso da terapia nutricional oral (suplementos nutricionais orais) ou enteral (via sonda), podendo auxiliar na manutenção e recuperação do peso, contribuindo para uma melhor adesão ao tratamento e resposta à doença. Poderá ser indicada pelo médico ou nutricionista, de forma individual, dependendo da tolerância de cada paciente.


Diante disso, o acompanhamento nutricional especializado torna-se um forte aliado durante o tratamento oncológico e deve ser acompanhado de forma individualizada. É essencial lembrar que a nutrição oncológica atua de forma multidisciplinar, e para cumprir seu papel de promoção de saúde de forma eficiente, necessita da parceria entre paciente, familiares, cuidadores e demais profissionais de saúde envolvidos.

Taíne Paula Cibulski 
Nutricionista Complexo ISPON
CRN2 12381
 


Compartilhe nas redes sociais: